must have no guarda-roupa dos bebês -

parte 1

por Clau Nicolau - 21 de março de 2013

Hoje resolvi encarar uma máquina do tempo e me recordar de dois anos e pouco atrás, exatamente no momento em que fiz o primeiro ultrassom no qual o médico teve certeza de que eu esperava uma menina. Já contavam 21 semanas de gestação, e meus impulsos consumistas, tão tolhidos, coitadinhos… Pipocaram sem dó nem piedade.



Apesar de amar um shopping e uma boa tarde de compras, minha consciência não me permitiu sair assim, por aí, comprando qualquer coisa rosa e fofinha que aparecesse em minha frente. Resolvi pesquisar um pouco, em blogs e sites especializados, sobre quais peças o guarda-roupa da minha pequena deveria conter. Aquilo que é básico, que não pode faltar de jeito nenhum.



Qual não foi minha surpresa ao descobrir, depois de milhares de visitas a sites diferentes, que as famigeradas listinhas para mães de recém-nascidos são todas – todinhas – iguais. Talvez com uma ou duas alterações, mas nada muito significativo. Então, acabei comprando poucas coisas, e complementando à medida que conversava com amigas diferentes, de estilos diferentes, mas todas mães. E descobri, na raça, algumas coisas… Antes e depois do nascimento da Peeps.



  • Primeiro de tudo: os bebês também sentem calor! Sim, coitadinhos, eles sentem calor. Minha filha nasceu num mês de março bem típico, quente, abafado, escaldante… E chorava muito. Mamava feliz, dormia feliz, e quase morria de gritar a cada banho com a temperatura considerada “ideal” por aqueles termômetros para banho (uma compra mega dispensável, que posso comentar numa próxima ocasião). E berrava absurdamente ao ser vestida com meias, macacões, casaquinhos e todos os apetrechos que vêm nos kits de roupinhas fofas para recém-nascidas. Acabei adotando, sim, o uso de shorts, regatinhas e bodies curtos e fresquinhos, e diminuí a temperatura do banho. A vida de nós duas começou a ser mais feliz… Mas faço uma ressalva importante: se seu bebê nascer em época mais fria, capriche no agasalho. Se você estiver com frio, ele também estará. E vice-versa.
Olha o calorão! Com quase três meses, curtindo o veranico de fim de maio com um conjunto Bicho Molhado bem fresquinho.

Olha o calorão! Com quase três meses, curtindo o veranico de fim de maio com um conjunto Bicho Molhado bem fresquinho.

  • Bodies são nossos melhores amigos! Sim, eles são práticos, versáteis e há desde os modelos mega básicos, para o todo dia, até os mais fofinhos, com listras, bolinhas, estampas, que vão de casa ao passeio no parque, shopping ou casa da vovó sem nenhum problema! Usei com calças, legging, manga comprida, manga curta, sem mangas… Apenas faço a ressalva de que, quanto maiores as menininhas vão ficando, mais dispensável esse item se torna. A Peeps usou bem até um ano e pouco. Agora, em meio ao desfralde, seu uso se torna totalmente inviável…
4 meses
4 meses

Ai, que delícia de risada!!! Brincando muito no bebê conforto com body básico Carter’s e meias H&M.

7 meses
7 meses

Look pink básico para ir à escola. Fofo e prático. Body manga longa Chicco, calça Paul Frank.

11 meses
11 meses

Pra se apaixonar!!! Outfit nada básico, arrancador de suspiros!!! Body Carter’s, sainha rodada Nosh, sandália Melissa.

  • Macacões também são lindos e práticos, mas… Assim que começam a engatinhar, a coisa fica mais complicada. Isso porque o modelo acaba limitando os movimentos, “segurando” o bebê, que não consegue dobrar e desdobrar a perninha com a mesma destreza de que se estivesse com camisa e calça separadas. Outra coisa: se engatinham, logo logo começam a querer se escorar nos móveis e paredes para ficar em pé e arriscar os primeiros passinhos. Meu projeto de terremoto levou incontáveis escorregões até que eu desse o braço a torcer – os pezinhos escorregam. É a hora de aposentá-los.

Desse tamanho, o macacão é a peça mais indispensável do guarda-roupa.

Olha que coisa pequenininha de Tip Top RN!!! Que vontade de esmagar!!!

  • Sapatinhos para bebê são liiindos, dá uma vontade incontrolável de mordê-los – e de comprar um estoque para a vida inteira – mas… Acredite em tudo, tudo, TUDO MESMO o que você ler nos blogs escritos por mães: elas não vão, repito, não vão usar sapatinhos por um bom tempo. No frio, as meias grossas e meias-calças fazem bem a vez do acessório que vai incomodar os pezinhos hiper delicados das princesas. E digo mais: eles vão ser perdidos! Não, não estou jogando pragas ou maldições. Encarem isso como uma previsão para o futuro. Você vai estar no supermercado, passou no caixa, colocou as compras no porta-malas e, quando finalmente for tirá-la do bebê-conforto do carrinho… Cadê aquele sapatinho liiiindo? Se foi… Até por isso, comecei a comprar sapatinhos apenas quando a curiosidade por explorar o chão foi maior do que o tempo de permanência entre colo e carrinho, com uns 8, 9 meses.
Virada cultural 2011!
Virada cultural 2011!

Essa foto tem que ampliar: dentro do sling, há uma bebê de 28 dias curtindo um ska cubano na Virada Cultural. E descalça!

Buenos Aires 2012!
Buenos Aires 2012!

Mi Bs As querida! Conhecendo a Mafalda em San Telmo, aos 10 meses… e descalça! Shorts jeans Lojas Renner, blusa com babadinhos C&A.

  • Tenha sempre outfits reserva em sua bolsa de fraldas. Peeps teve refluxo até os oito meses, o que significava em muitas, MUITAS trocas de roupa por golfadas (e, a depender da gravidade do acidente, vale levar uma blusinha pra você também… Just in case). Também tenho histórias tragicômicas de roupas perdidas para todo o sempre por cocôs sobrenaturais…
  • Não se apegue muito a uma roupinha. Invariavelmente, ela vai ficar pequena… Ou manchada, suja, com um rasguinho aqui, um botão engolido ali, um rombo de tanto ralar no chão acolá. Confesso que ainda sofro horrores cada vez que vejo uma peça foférrima, que passei horas escolhendo e namorando até comprar, danificada. Mas… fazer o quê? As pequenas se mexem, brincam, rolam no chão, e é exatamente assim que tem que ser. Eu é que não queria um bibelô em vez do meu furacão!
O maiô do 1º "croquete de areia"...
O maiô do 1º "croquete de areia"...

Ah, como me apeguei a esse maiô tudo-na-vida da Salinas… Mas ficou pequeno. E a coragem pra doar, cadê?…

E a jaqueta multiuso?
E a jaqueta multiuso?

Lembram-se da jaqueta jeans, do post anterior?… Pois é. Ela virou até camisa, mas também ficou pequena. E fim. Moletom cinza e jaqueta Gap.

Nesse dia, esse sorriso inocente escondia um master acidente fraldístico… E lá se foi o body Carter’s de bolinhas pro cemitério das roupinhas fofas. Snif! Ainda bem que a calça (Gap) sobreviveu.

Nossa!… Poderia falar sobre muitos outros pontos, mas decidi por não estender muito a conversa por hoje. Se tiverem dúvidas ou sugestões para a continuação desse post (que sai até sábado, PROMETO!), entrem em contato via comentários. farei o possível para responder a todos!