must have do guarda-roupa dos bebês - parte 2 

No post passado, comentei sobre algumas peças básicas, e também sobre a necessidade de se desapegar de alguns itens e ideias. Então, hoje, num post sem muitas fotos, vou compartilhar com vocês as peças que considero mais necessárias para as crianças de 0 a 2 anos. Obviamente, há que se respeitar as condições climáticas da época em que sua pequena passar por essas fases… Lembrem-se de que minha experiência é com uma pequena extremamente calorenta e cheia de opinião, nascida em um mês de março muito, muito, muuuuuito quente.

  • ​Recém-nascida – A maternidade é um lugar frio, por mais aconchegante que possa parecer… Em pleno carnaval, os climatizadores me faziam passar frio, e creio que as bebezinhas que acabaram de chegar ao mundo também sintam o impacto da temperatura. Por isso, os macacões compridos, com casaquinhos, e as mantinhas, tudo isso realmente será necessário. Minha dica é que você leve as roupinhas separadas em saquinhos na bolsa de fraldas, pois as pessoas do berçário, por mais experiência que tenham no trato com as miniaturas, podem não ter o mesmo senso estético que você… E nesse momento me lembro da voz do meu marido, indignado: “com tanta coisa pra pensar, você vai se preocupar com isso?”… Sim!!! Nessa hora em especial, em meio ao turbilhão de hormônios fervilhantes, o que menos você vai querer é olhar para aquela criaturinha fofinha no seu colo e pensar… “Mas não era ESSA roupinha que eu queria colocar…” Parece fútil. E é. No entanto… nunca duvide da capacidade de uma recém-mãe de se irritar com as coisas mais, aparentemente, desnecessárias. Digo por mim, a pessoa que solicitou a sacola de volta, no segundo dia de internação, para trocar a roupinha da Peeps… rsssssss!!!
  • 0 a 6 meses – Nesse período, reinaram absolutos os bodies, culotes, meinhas, macacões e, em caso de calor, blusas e shortinhos. Utilizei muitas leggings em substituição aos culotes, pois logo percebi que a Peeps tem a mesma implicância com pés presos do que eu. Casaquinhos de muitos tipos: desde os tradicionais de tricô fininhos e delicados, até jeans (sempre molinhos, por favor), sobretudo (por que não?) e casacos de moletom. Os paninhos de boca, babadores e mantas foram amigos fiéis para mudanças bruscas de temperatura e para os acidentes por refluxo (que comentei no outro post). Para muitas pequenas, é esse o momento em que começam a nascer os dentinhos, e os babadores ajudam um montão a proteger os looks e os peitos das menininhas do excesso de saliva. A praticidade para trocar as fraldas deve se sobrepor a muitos babados e frufrus, ao menos no dia-a-dia. Peças criativas e fora do convencional, com texturas, estampas e materiais inusitados, dão outro colorido às produções das pequenas.

  • 6 a 9 meses – Começam a se sentar sozinhas, rolar, e algumas engatinham e até arriscam uns passinhos. Continuei a usar basicamente peças que guardavam muitas semelhanças com o que havia comprado até então, mas passei a cuidar mais do tamanho dos macacões com pezinhos. O famoso “acho que ainda dá pra usar mais uma vez…” pode limitar os movimentos das pequenas, que ficam bravas (e com razão!). Isso sem contar os escorregões, tombos e afins… Nesse momento, as meias com antiderrapante ou sandalinhas com solado de borracha podem ser boas aliadas. Uma ressalva: não vejo nenhuma utilidade em joelheiras para bebês, a não ser que engatinhem por chão de concreto puro, igual ao das quadras esportivas antigas de escolas… Apenas cuidar, a depender do terreno a ser explorado pela pequena aventureira, para que a calça seja feita de um material resistente. Caso contrário, o buraco na calça e o joelho raladinho serão inevitáveis!
  • 9 meses a 1 ano – As explorações de chão e tentativas de andanças são cada vez mais presentes – e, aqui, o sapatinho começa a se fazer realmente necessário. Como nessa época estava bastante calor, optei muito por sandalinhas de couro beeeeem macio com solinha de borracha antiderrapante, ou melissas com modelos que “seguram” um pouco mais o calcanhar (como a famosa aranha, por exemplo). Essa ainda não é a época do algodão na ponta do tênis pra durar mais: se o sapato estiver folgado, vai machucar e pode sair do pé, ocasionando quedas espetaculares (para quem assiste, não para quem as leva ou socorre com o coração aos pulos). As peças coloridas, os shortinhos e saias com blusinhas e bodies e os vestidinhos são itens básicos no guarda-roupa, assim como as bermudas tipo ciclista e as leggings (minhas melhores amigas!). Calças jeans, por enquanto, só se forem muuuuito molinhas para não atrapalhar a locomoção. E, na minha modesta opinião, essa é a hora de abandonar permanentemente os macacões de pezinho.

  • 1 a 2 anos –  Essa foi a época em que mais abusei de cores e combinações diferentes para a composição dos outfits da Peeps. E com um diferencial delicioso: ela começou a participar das escolhas! Aos poucos, as roupas foram perdendo a carinha de bebê e dando espaço a um visual mais “crescido”, fashionista e muito, muito divertido. Abolimos, aos poucos, o uso dos bodies, pensando em facilitar as trocas de fralda. Assim, calças jeans, de sarja, plush e veludo cotelê, leggings de todos os tipos, tecidos, estampas e texturas, blusinhas e vestidos compunham o guarda-roupa básico de passeio.

Também esse foi o período em que ela mais sujava roupinhas na escola, uma vez que as explorações eram a cada dia mais intensas. Manchas de tinta, canetinha, barro, comida, suco… eram uma constante – e a certeza de que a tarde tinha sido muito divertida! Adotei a prática da “gaveta para a escola”, na qual imperam as calças de moletom, leggings de cotton e camisetas Hering, casacos de moletom e tactel e muitos, muitos achados de brechó (alguns você pode conferir neste post anterior, com galeria de fotos).



Os calçados necessariamente têm de ser resistente. Diga adeus aos sapatinhos com solado de tecido ou couro, que derrapam e de deterioram mais rápido do que os tênis convencionais. Continuei abusando das Melissas, sandálias e sapatilhas de couro molinho, e adotei o uso dos tênis (All Star e convencionais). À medida em que Peeps ia ganhando firmeza no andar, incluí o uso de Crocs e, mais recentemente, de Havaianas com elástico.



  • 2 anos – Começou o desfralde, e assim abolimos quaisquer roupas, ao menos por enquanto, que fossem um entrave para as idas urgentes ao banheiro (como um macacão jeans Levi’s que eu AMAVA de paixão… Mas lembram do desapego? Então…). As calcinhas de algodão, sem frufrus por enquanto, minimizam o aparecimento de alergias – e combinam mais com a pele delicada das pequenas, que estavam acostumadas com fraldinhas fofas e pomadinhas.

As fantasias e looks que remetem ao faz-de-conta são solicitados pela própria mocinha, e atendidos na medida do possível (tento não sucumbir ao uso de fantasias o tempo todo, e substituí pelo uso da saia bailarina, que mostrei nesse post anterior). Os sapatos continuam a ser confortáveis, mas podem ter mais detalhes, pois o tempo de levar tudo à boca está ficando para trás.

Ainda tenho muito a descobrir, testar, experimentar… E vou compartilhando as descobertas com vocês. Espero que também compartilhem as suas por aqui!