Primeiras providências: passaporte e visto

Viajar com um bebê, de menos de dois meses, para os Estados Unidos, num total de 15 horas de voo. Parece loucura, impossível, judiação?

Pois bem... Fizemos isso em maio de 2011, quando embarcamos para San Francisco com várias malas, uma bagagem que parecia suficiente e muita coragem e disposição.

Mas, antes mesmo de comprar as passagens, todos os preparativos que um adulto faria - tirar um passaporte e o visto para o país de destino - também são necessários para os pequenos. 

Para tirar o passaporte, o procedimento é exatamente o mesmo do que para os adultos: fazer a inscrição online no site da Polícia Federal, agendar a entrevista e pagar a taxa. O que muda são dois pontos básicos, que até constam no endereço eletrônico, mas são tão cruciais que deviam brilhar no escuro e saltitar quando passamos os olhos:

 

* Levar a foto pronta e impressa é essencial. Dá uma trabalheira danada, mas não é nada comparado a tentar fotografar um minibebê lá no meio do povo todo que comparece às entrevistas todos os dias. No caso da Peeps, que tinha 28 dias (!) no dia da sua entrevista, também não foi fácil: estendi uma manta de moletom branca no sofá, deitei-a sobre ela e fiquei brincando e clicando por um tempão até conseguir a imagem perfeita. 

Os detalhes são importantes: o fundo deve ser branco, a criança deve estar com os olhos bem abertos e totalmente de frente, a resolução precisa ser boa para evitar uma impressão pixelada (distorcida, cheia de pontinhos ou quadriculada). 

Não desanime se precisar de muitos cliques; no nosso caso, foram 32 fotos para conseguir A foto.



* A validade do passaporte das crianças pequenas não é a mesma que a dos adultos. E isso é essencial checar a cada viagem: 

- de 0 a 1 ano - 1 ano de validade; 

- de 1 a 2 anos - 2 anos de validade;

- de 2 a 3 anos - 3 anos de validade;

- de 3 a 4 anos - 4 anos de validade;

- 4 anos ou mais - validade normal (5 anos).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No nosso caso, o destino final eram os Estados Unidos, e a preocupação era só uma: como conciliar a data da viagem, já marcada, com o calendário sempre lotado da embaixada americana? E, o pior: como passar horas a fio naquela fila, naquela aglomeração, com uma criança tão pequena?

Acontece que não precisa nada disso. Fuçando no próprio site da embaixada, descobri a roda (ou melhor, a mão na roda): o Minor Passport Program, ou Programa de Visto para Menor.

Qualquer criança até 15 anos com passaporte válido pode requerer visto, isenta da entrevista, caso os pais já tenham seus vistos, concedidos com a validade máxima e sem nenhuma restrição. Ainda há que se cuidar da burocracia - preenchimento do formulário DS-160, levar a foto 5X7 (vale reaproveitar a do passaporte), recolher a taxa no Citibank. 

Antes, havia um dia e horário especiais para esses atendimentos - e nós ainda pegamos essas regras antigas do jogo. Passei menos de 10 minutos com minha pequena na embaixada. Infelizmente, isso mudou em maio do ano passado: agora, ainda há que se agendar a entrevista para o Centro de Atendimento ao Solicitante de Visto (CASV). Pelo menos, não há a exigência da presença dos pequenos.



Parece uma chatice sem fim. E é... Mas vale a pena. Garanto!

No próximo post, contarei um pouquinho da nossa primeira aventura... Aguardem!



Clau Nicolau- 23 de abril de 2013